BIBLIA
QUANTAS PALAVRAS TEM A BÍBLIA ?
250 PALAVRAS?
500 PALAVRAS?
2.598 PALAVRAS?
2.458 PALAVRAS?
3.759PALAVRAS?
20.865 PALAVRAS?
773.693 PALAVRAS?
887.966
Ver Resultados


Rating: 2.9/5 (353 votos)




ONLINE
5





Partilhe esta Página

Pastor,Juiz Arbitro de Direito,Professor Faculdade Internacional de Teologia FAITERJ, Médio Em Teologia-Seminário Internacional de Teologia-ESCOLA DE PASTOR Bacharél Em teologia-Especialização em EDUCAÇÃO RELIGIOSA FAITERJ, Mestre em Teologia-Especialização em CIÊNCIAS DA RELIGIÃO FAITERJ , JUIZ ARBITRO DE DIREITO  - WWW.OJPAD.COM.BR DOUTOR EM Bíblia-FACULDADE DE EDUCAÇÃO TEOLÓGICA DE SÃO PAULO FATESP - convencionado no CONSELHO FEDERAL DE PASTOR e também no CNTB CONSELHO NACIONAL TEÓLOGOS DO BRASIL Professor de: Fenômeno Religioso; Epistemologia do Fenômeno Religioso; Cosmovisão das Religiões e dos Movimentos Religiosos; Tradições Religiosas; Metodologia do Ensino Religioso; Diálogo Inter-Religioso; Professor do Curso Comentado. Orientador geral de trabalhos de conclusão de cursos de Doutorado em teologia; Escritor Literário Religioso;  Empresas, Associações, Seminários e Eventos. Orador motivacional; Palestrante; Consultor: Organizacional; Acadêmico e Seminário teológicos; Na área de Doutorado em Teologia; Organismos Culturais Religiosos; Consultor Religioso de veículos de comunicação.

FAITE FACULDADE TEOLÓGICA VENHA ESTUDAR COM AGENTE CURSOS A DISTÂNCIA FALE COM O DR.ALEX OU ESCREVA :

Email: Dr.Alexsandro.poa.ojpad@hotmail.com /pr.alexsilva@hotmail.com / faiters@hotmail.com

                                         (051) 32338192 / (051) 82804794



Total de visitas: 84857
LUTERO



LUTERO 

Lutero aos 46 anos (Lucas Cranach o Velho, 1529) Martinho Lutero (Eisleben, 10 de Novembro de 1483 — Eisleben, 18 de Fevereiro de 1546) foi um teólogo alemão. É considerado o pai espiritual da Reforma Protestante. PRIMEIROS ANOS DE VIDA Martinho Lutero, cujo nome original em alemão era Martin Luther era filho de Hans Luther e Margarethe Lindemann. Nascido em 1483 e morto em 1546. Mudou-se para Mansfeld, onde seu pai dirigia várias minas de cobre. Tendo sido criado no campo, Hans Luther deseja que seu filho viesse a tornar-se um funcionário público, melhorando assim as condições da família.

Com este objetivo, enviou o jovem Martinho para escolas em Mansfeld, Magdeburgo e Eisenach. Aos dezessete anos, em 1501, Lutero ingressou na Universidade de Erfurt, onde tocava alaúde e recebeu o apelido de "O filósofo". O jovem estudante graduou-se em bacharel em 1502 e o mestrado em 1505, o segundo entre dezessete candidatos[1]. Seguindo os desejos paternos, inscreveu-se na escola de Direito dessa Universidade. Mas tudo mudou após uma grande tempestade, com descargas elétricas, ocorrida neste mesmo ano (1505): um raio caiu próximo de onde ele estava, ao voltar de uma visita à casa dos pais. Aterrorizado, gritara então: "Ajuda-me, Sant'Ana! Eu me tornarei um monge!" Tendo sobrevivido aos raios, deixou a faculdade, vendeu os seus livros com exceção dos de Virgílio, e entrou para a ordem dos Agostinianos, de Erfurt, a 17 de julho de 1505.[2] VIDA MONÁSTICA E ACAD MICA Lutero com a tonsura monásticaO jovem Martinho Lutero dedicou-se por completo a sua vida no mosteiro, empenhando-se em realizar boas obras a fim de agradar a Deus e servir ao próximo através de orações por suas almas. Dedicou-se intensamente à meditação, às auto-flagelações, muitas horas de oração diárias, às peregrinações e à confissão.

Quanto mais intentava ser agradável ao Senhor, mais dava-se conta de seus pecados[3] Johann von Staupitz, o superior de Lutero, concluiu que o jovem necessitava de mais trabalhos, para afastá-lo de sua excessiva reflexão. Ordenou portanto ao monge que iniciasse uma carreira acadêmica. Em 1507 Lutero foi ordenado sacerdote. Em 1508 começou a lecionar teologia na Universidade de Wittenberg. Lutero recebeu seu bacharelado em Estudos Bíblicos a 19 de março de 1508.

Dois anos depois visita Roma, de onde regressa bastante decepcionado. [4] Em 19 de outubro de 1512, Martinho Lutero graduou-se Doutor em Teologia e a 21 de outubro deste ano foi "recebido no Senado da Faculdade Teológica", com o título de "Doutor em Bíblia". Em 1515 foi nomeado vigário de sua ordem, tendo sob sua ordem onze monastérios. Durante este período estuda o grego e o hebraico, para aprofundarse no significado e origem das palavras utilizadas nas Escrituras - conhecimentos que logo utilizaria para a tradução da Bíblia. A TEOLOGIA DA GRAÇA DE LUTERO O desejo de obter os graus acadêmicos levaram Lutero a estudar as Escrituras em profundidade. Influenciado por sua formação humanista de buscar ir "ad fontes" (às fontes), mergulhou nos estudos sobre a Igreja Primitiva. Devido a isto, termos como "penitência" e "honestidade" ganharam novo significado para ele, já convencido de que a Igreja havia perdido sua visão de várias das verdades do cristianismo ensinadas nas Escrituras - sendo a mais importante delas a doutrina da chamada "Justificação" apenas pela fé. Lutero começou a ensinar que a Salvação era um benefício concedido apenas por Deus, dado pela Graça divina através de Jesus Cristo e recebido apenas com a fé.[5] Mais tarde, Lutero definiu e reintroduziu o princípio da distinção própria entre o Torá (Leis Mosaicas) e os Evangelhos, que reforçavam sua teologia da graça. Em conseqüência, Lutero acreditava que seu princípio de interpretação era um ponto inicial essencial para o estudo das Escrituras.

Notou, ainda, que a falta de clareza na distinção da Lei e dos Evangelhos era a causa da incorreta compreensão dos Evangelhos de Jesus pela Igreja de seu tempo, instituição a quem responsabilizava por haver criado e fomentado muitos erros teológicos fundamentais. A CONTROVÉRSIA POR CAUSA DAS INDULG NCIAS Além de suas atividades como professor, Martinho Lutero ainda laborava como pregador e confessor na igreja de Santa Maria, na cidade. Também pregava habitualmente na igreja do Castelo (chamada de "Todos os Santos" - por causa de ali haver uma coleção de relíquias, estabelecidas por Frederico II de Sabóia). Foi durante este período em que o jovem sacerdote deu-se conta dos efeitos em se oferecer indulgências aos fiéis, como se fossem fregueses. A indulgência é a remissão (parcial ou total) do castigo temporal que alguém permanece devedor por conta dos seus pecados, de cuja culpa tenha se livrado pela absolvição.

Naquele tempo qualquer pessoa poderia comprar uma indulgência, quer para si mesmo, quer para um parente já morto que estivesse no Purgatório. O frade Johann Tetzel fôra recrutado para viajar através dos territórios episcopais do arcebispo Alberto de Mogúncia, promovendo e vendendo indulgências com o objetivo de financiar as reformas da Basílica de São Pedro, em Roma. Lutero viu este tráfico de indulgências como um abuso que poderia confudir as pessoas e levá-las a confiar apenas nas indulgências, deixando de lado a confissão e o arrependimento verdadeiro. Proferiu, então, três sermões contra as indulgências em 1516 e 1517. Segundo a tradição, a 31 de outubro de 1517 foram pregadas as 95 Teses na porta da Igreja do Castelo de Wittenberg, com um convite aberto ao debate sobre elas. Estas teses condenavam a avareza e o paganismo na Igreja como um abuso, e pediam um debate teológico sobre o que as Indulgèncias significavam. Para todos os efeitos, nelas ele não questionava diretamente a autoridade do Papa para conceder as tais indulgências. As 95 Teses foram logo traduzidas para o alemão e amplamente copiadas e impressas. Ao cabo de duas semanas haviam se espalhado por toda a Alemanha e em dois meses por toda a Europa. Este foi o primeiro episódio da História em que a imprensa teve papel primacial, pois facilitava uma distribuição simples e ampla de qualquer documento.

 

    Pr.Alex Sandro

Mestre em História da Igreja